Buscar
  • TXT BRAZIL

ENTREVISTA: Soobin para "Weverse Magazine" (nov/20)

"Posso compartilhar muito amor, porque recebo muito amor."

Soobin falou com cuidado e deliberadamente. Ele levou um momento para organizar seus pensamentos e voltar em suas memórias antes de responder cada pergunta. E ainda, sem hesitar por um momento, ele pôde nomear todas as coisas importantes para ele: música, se apresentar, seu time, os fãs, família, trabalho duro... e seu novo álbum, "minisode1: Blue Hour."


Você deve estar bem ocupado se preparando para seu comeback.

SB: Não importa o quanto nós tentemos nos manter positivos, é bem difícil passar por nossas apresentações sem público. Esse tipo de coisa tem limites. Mas dessa vez acho que vamos nos divertir juntos no palco. Costumávamos dançar e cantar na frente do MOA, beber um pouco de água e tentar recuperar o fôlego. Eu sinto falta da sensação de ficar sem fôlego assim.


Você deve ter se identificado muito com "We Lost the Summer," já que a música é sobre a perda da sua vida normal para a COVID-19.

SB: Eu saí para ver um filme, mas assim que cheguei no cinema voltei. Eu pensei, "E se alguma coisa ruim acontecer?" e desisti. Costumava ser um lugar que eu iria sempre que eu quisesse. Agora, sinto falta de todos os lugares que não posso ir. Não apenas viajar para longe tipo outros países, mas também os lugares pequenos e diários que não posso visitar.


As mensagens dos seus fãs devem ser muito edificantes. Você quase chorou quando leu um comentário durante sua transmissão no V LIVE que dizia, "Eu sou feliz — sou uma fã do Soobin."

SB: Eu acho que é ótimo quando um cantor faz o que quer para os fãs, e os fãs, em troca, se sentem mais otimistas em vê-los. É por isso que tento compartilhar cada detalhe da minha vida diária. Eu costumava restringir as fotos que eu postava nas redes sociais a selfies lisonjeiras, mas esses dias tenho tentado postar com mais frequência fotos sobre minha vida diária.


Você costuma procurar muito por reações dos fãs?

SB: Eu fiz tanto isso que fui apelidado de "Rei da Busca" quando estávamos estreando. Mas continuei encontrando comentários cada vez mais dolorosos. As vezes, eu estava no meio de uma conversa e pensava, "Espere, alguém disse que não gostou quando eu disse isso" e coisas assim. Então decidi procurar menos pelo meu nome, pensando, se não posso ignorar esses comentários, é melhor não olhá-los em primeiro lugar. Agora, costumo ir ao Weverse quando me pergunto sobre a opinião do MOA.


Acho que você pode dizer que você se preocupa sobre comentários negativos, mas você ama ainda mais estar no palco. Ouvi dizer que você decidiu se tornar cantor depois de subir num palco durante um evento da escola.

SB: Meus amigos me pediram para subir no palco com eles, mas eu recusei. Depois disso, eles colocaram meu nome na folha de inscrição sem nem ao menos me contarem. Alugar uma sala de prática e ensaiar com os amigos, e algumas vezes brincar — todo esse processo foi muito divertido. Eu pensei que iria me arrepender de fazer uma apresentação reduzida porque eu era muito tímido, mas coloquei meu coração naquilo. Eu estava feliz quando crianças que eu nem ao menos conhecia vieram até mim e disseram que gostaram da nossa apresentação. Foi quando eu pensei, "Quero estar num palco de novo."


Você deve ter ensaiado muito para esta apresentação.

SB: Eu me aprimorei mais devagar que os outros. Quando comecei como um trainee, fiquei preso no final da lista enquanto os outros evoluíam e subiam para o topo. Achava que não era bom o suficiente e fiquei estressado. Me sentia tão envergonhado que pensava não ter nenhum talento. Então, eu mencionei casualmente que queria sair, e então eles me mostraram meus relatórios mensais. Minhas pontuações estavam subindo de forma consistente, mesmo se apenas em passos muito pequenos como 0.1 ponto. Eles me disseram, "Vai melhorar. Pode parecer devagar, mas apenas mantenha o trabalho duro." Eu estava muito grato por eles terem me dito aquilo. Eu não iria desistir e iria tentar o meu melhor, e na época que passei pelas avaliações mensais, já havia chegado ao topo.


Seremos capazes de ouvir os frutos do seu trabalho neste último álbum?

SB: Sim, no refrão de "Blue Hour." Talvez os outros membros não as considerem notas altas, mas para mim foram loucamente altas. (risos) Eu peguei minha parte e cantei algumas vezes, mas estava fora do tom. Mas nosso produtor, Slow Rabbit, continuava dizendo que queria muito que eu cantasse aquela parte, e estava torcendo por mim — "Mais uma vez! Só mais uma vez!" —, foi assim continuamente por mais de uma semana. Mas na segunda semana estava meio a meio; as vezes eu chegava lá e na próxima vez eu bagunçava tudo. Eu dizia frequentemente ao produtor, "Acho que eu consigo!" e eventualmente eu consegui mesmo. Eu estava tão frustrado com meu baixo alcance [vocal], então fiquei feliz quando quebrei essa barreira nessa gravação.


E você também canta a primeira linha.

SB: Sim, o produtor já tinha me dito que a primeira parte era a mais importante, então senti muita pressão, mas ele me ajudou a passar [por isso]. Como eu tenho uma voz baixa, as notas altas soam um pouco tensas, mas nosso produtor disse que na verdade soa mais triste desse jeito, e eu gostei disso.


A faixa título é uma música Disco, que é diferente das músicas que o TOMORROW X TOGETHER já mostrou. Suponho que o processo de preparação para esta música tenha sido diferente também.

SB: Desde nossa estreia, nosso time tem esse tipo de estrutura configurada para trabalhar, mas as vezes nós também queremos uma chance de mostrar as danças pop de músicas empolgantes que costumávamos praticar antes de estrearmos. E esta é exatamente o tipo de coreografia que fazíamos naquela época. Nós nos divertimos muito. Foi a primeira fez desde as premiações de final de ano onde nós estávamos aplaudindo e gritando junto com os dançarinos durante os ensaios e isso elevou nossa energia.


Tem algum processo específico que você precisa passar para trazer à realidade a imagem em sua cabeça?

SB: No dia que vamos nos apresentar, nós praticamos em frente a um espelho com o cabelo feito e com a maquiagem. A cada dia nosso cabelo e maquiagem mudam, e assim também muda a atmosfera. O lado direito do meu rosto é levemente diferente do lado esquerdo. O lado esquerdo tem traços mais marcantes, enquanto o lado direito para mais suave e gentil. Se minha franja é colocada para trás então eu mostro meu lado esquerdo, e se eu deixo ela abaixada, mostro o lado direito. Então ao final da performance da faixa título, as vezes eu termino mostrando meu lado esquerdo e outras vezes meu lado direito.


Você deve ter se preparado muito para apresentar o Music Bank.

SB: Sou conhecido pelo MOA por misturar as palavras e trocá-las de formas esquisitas, então fiquei preocupado quando me foi oferecido o papel. Mas percebi que eu poderia nunca ter outra chance de apresentar, então ao invés [de me preocupar], eu assisti vídeos de antigos apresentadores e peguei seus roteiros emprestados para praticar. No final, o ensaio valeu a pena.


O vídeo desse programa onde você cantou um dueto de "Dolphin'", do Oh My Girl, já passou de 15 milhões de visualizações no Youtube. Como você se sente sobre este tipo de resposta?

SB: Eu apenas pensei, "Não impota que conceito seja, eu tenho que fazer. Mostrar um lado diferente de mim mesmo não é um problema desde que eu faça uma apresentação memorável." Espero que os fãs apreciem todos os looks diferentes que experimentamos para eles.


Em uma entrevista, me lembro de você dizer, "Os outros membros me acham fofo, mas o que eu realmente sou é sexy."

SB: Honestamente, eu considerava meu visual com o tipo de imagem mais "inocente," mas mesmo sem saber eu estava mostrando uma vibração muito diferente no palco. (risos) "Crown" é uma música fofa e alegre, mas quando eu coloco de repente uma cara séria no vídeo, minha expressão parece sugerir um humor totalmente diferente. Então eu pensei que talvez tivesse encontrado algo novo em mim. Essa expressão facial aconteceu naturalmente, então eu pensei, "Eu sou um pouco sexy?" (risos)


Existem outros aspectos surpreendentes na sua personalidade?

SB: Os MOAs ficam preocupados que se eles não me protegerem, algo pode acontecer comigo. (risos) Mas o que eu aprendi depois de estrear, é que eu sou mais determinado e teimoso do que pensava. Eu pensei que iria seguir o que os outros estivessem fazendo e ir na onda, mas em algum ponto, me vi falando mesmo. De qualquer forma, como o líder, eu preciso falar com todo mundo, então é inevitável que eu precise ser firme aqui e ali.


Como você enxerga os outros membros, sendo o líder?

SB: Hueningkai é meu porto seguro. Quando eu era trainee, tive dificuldade de me adaptar ao que, para mim, era um ambiente estrangeiro, mas depois de quatro ou cinco meses, Hueningkai chegou e nós fomos os primeiros a nos tornar amigos. Nós tínhamos tanto em comum em questão de gostos e personalidade, que isso nos aproximou imediatamente. Uma vez que encontrei Hueningkai, encontrei muito conforto na minha vida como um trainee.


Então Hueningkai é seu porto seguro, e Taehyun é sua confiança, já que vocês possuem uma confiança mútua?

SB: Eu sempre digo que Taehyun é o neutro e realista [do grupo]. Se eu fico sobrecarregado de emoções e me sinto nervoso, ele intervém para ajudar. Eu costumo fazer uma caminhada matinal com Taehyun e nós conversamos sobre as apresentações, nossos membros, a empresa, e mais. Ele sempre me dá uma visual equilibrada do quadro geral.


E você achou surpreendente que Beomgyu tenha uma personalidade exatamente oposta à sua?

SB: Quando éramos trainees, Beomgyu estava realmente muito animado para se tornar amigo de todos nós. O tipo legal de borboleta social. Nós dois tínhamos personalidades completamente diferentes naquela época, mas se eu paro e penso sobre isso, agora eu sou mais do tipo sociável e ele é um pouco mais calmo. A maior força do Beomgyu é sua tolerância. Quando alguém diz a ele como se sente, ele sempre responde, "Ah, você está certo, me desculpe. Eu não sabia." E ele aceita imediatamente o que eles têm a dizer. As vezes, por ser o líder, tenho medo que o os outros possam me entender mal, mas então Beomgyu me ajuda muito.


E Yeonjun?

SB: Eu costumo discutir com Yeonjun por coisas inúteis/triviais. (risos) Creio que ele é o mais próximo da minha personalidade. Ele é mais tímido e introvertido do que eu pensava. Ele coloca bastante esforço não apenas em seu autoaperfeiçoamento, mas também em suas relações interpessoais. Quando ele vê algo que precisa ser mudado, ele sempre tira um tempo para consertar. Ele já é uma boa pessoa, mas com o tempo acredito que ele vai se tornar uma pessoa ainda melhor. Eu, por outro lado, amo minhas fraquezas pelo que elas são, embora alguns possam olhar para mim e pensar o contrário.


Se alguém ama até mesmo suas próprias falhas, não significa que a pessoa tem uma auto estima elevada?

SB: Eu posso compartilhar tanto amor quanto eu recebo. Pode ser porque eu fui o último a nascer em uma família grande: eu fui amado não apenas por meus pais, mas também por meu irmão e minha irmã, então é amor em 4 vezes. Eu quero compartilhar o calor e a afeição que eu tenho recebido de outras pessoas, especialmente dos outros membros. Eu estava falando com eles recentemente e de repente senti que eu devo amá-los ainda mais do que eu já sabia. Então eu disse a eles como me sentia. (segurando as lágrimas) Eles são tão importantes para mim, eu não acho que eu consiga viver sem eles.


Além do poder do amor, que outras lições de vida você aprendeu com sua família?

SB: Ainda me lembro claramente de quando minha mãe ligou para uma linha de doações aos prantos enquanto assistia à TV. Ela me disse, "Quando você crescer, você deve sempre ser gentil e ajudar qualquer um que precise." Minha mãe tem sido uma grande influência na minha vida. Ela é como uma santa para mim.


Pensando bem, todos os webtoons* [*São as histórias em quadrinhos da Coreia] que você disse que gosta são na maioria sátiras sociais.

SB: "Deus Ex Machina", do webtoonista Kkomabi me deixou uma forte impressão. É um webtoon sobre pessoas e religião. Me ajudou quando eu estava tendo problemas organizando alguns dos meus pensamentos recentemente.


Alguma outra coisa te impressionou recentemente?

SB: Ontem eu assisti um documentário na Netflix chamado My Beautiful Broken Brain. Era sobre continuar vivendo após um derrame repentino. A personagem principal não conseguia se lembrar das pessoas ou das palavras que ela precisava para falar. Mas foi ótimo como ela superou isso. Ah, e a música "Age" do cantor Yoon Jong-shin. Eu gosto agora, mas sinto que vou apreciar ainda mais quando eu for mais e mais velho. E eu também gosto de "Wishlist" do nosso novo álbum. Eu gostei tanto que assim que ouvi a melodia pela primeira vez, fui direto trabalhar nas letras. Não foram escolhidas, mas eu gostei de trabalhar nelas.


Você ajudou a escrever a letra de "Ghosting" também, que foi inclusa no álbum. Achei interessante a forma que você descreveu a situação e as emoções que a cercam, como alguém que pode ser completamente bloqueado das redes sociais.

SB: Quando eu comecei a escrever a letra, tentei escrever algo legal e gracioso, mas fui recusado repetidamente. Eles finalmente usaram minhas letras quando eu escrevi sobre minha vida diária de forma mais realista. Eu gosto especialmente da linha "여전히 숫자 날 반겨 1만(Apenas um número me cumprimenta, apenas '1')". Eu escrevi essa parte. (risos) Há este pequeno número '1' que fica ao lado da sua mensagem até que a outra pessoa leia. Se o '1' ainda está lá depois de um dia inteiro, você acaba rolando [a tela] para cima e checar o que você escreveu. Era o que eu tinha em mente quando escrevi essa letra.


Que tipo de letras você gostaria de escrever no futuro?

SB: É uma música que eu venho dizendo sempre que gosto, se chama "터벅터벅 (Way Back Home)". É sobre alguém que está apenas começando e extravasando depois de um dia difícil. Mesmo agora, quando meu dia é finalizado e eu estou a caminho de casa, eu escuto pelo menos uma vez. Também me inspira a escrever letras toda vez que eu escuto. E da mesma forma que essa música tem sido um grande conforto para mim, eu espero que minhas letras deem conforto e esperança a outras pessoas também.


Você disse que salvou uma citação famosa do desenho Peanuts em seu telefone.

SB: Tem uma cena onde um garoto diz, "Eu nunca pensei que houvesse uma árvore ruim. Não é tão ruim, na verdade. Talvez só precise de um pouco de amor." Eu salvei em meu telefone quando eu estava treinando, e sempre que me sentia mal comigo mesmo, eu lia e recuperava minha confiança aos poucos.


Okay, Soobin. o que você gostaria de dizer para seus fãs?

SB: Isso é o que eu sempre digo: "Nós sentimos saudades de vocês, também!" Eu digo com tanta frequência, que pode parecer uma formalidade, neste ponto. Mas é verdade. Nós sentimos saudades de vocês, também.




Entrevista original: Weverse Magazine

TRAD ENG-PT/BR: Abby (TXT Brazil)

129 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo