Buscar
  • TXT BRAZIL

ENTREVISTA: Beomgyu para "Weverse Magazine" (06/21)

"Eu quero ser quem eu sou, e não ser definido por qualquer papel."

As emoções do Beomgyu fluem constantemente. Ele estava mais sério que qualquer outro quando conversava com a equipe antes da filmagem, e após mergulhar nas filmagens, ele caiou no sentimento triste/carregado dado pela cor azul do fundo do cenário. No meio da gravação, a emoção que ele expressava mudou subitamente, e exclamações explodiram na cena. Após, Beomgyu tinha 21 anos [idade coreana] quando tirou as fotos em grupo com os membros. Então Beomgyu continua a se encontrar. Em meio às muitas ondas de emoções que o mundo oferece.




P: A dança em grupo mostrada no concept trailer para o álbum "The Chaos Chapter: FREEZE" é incrível. Mas sobre a dança em grupo, você disse, "Acho que é fácil. Talvez porque é algo que você possa fazer com esforço." Não parece uma dança fácil. (risos)

BG: (risos) Há momentos quando você precisa de sorte, e há momentos que você tem realmente 100% de cobertura com suas habilidades. Eu joguei basquete no Golden Disc Awards no ano passado e foi 50% sorte e 50% ensaio. Não importa o quão duro você treine, se você tiver azar e a bola quicar, já era. Mas tudo que possa reduzir as chances de falha através da prática, como uma dança em grupo, pode ser feito com esforço.


P: No videoclipe da faixa título "0X1=LOVESONG (I Know I Love You) feat. Seori" você fez interpretou uma cena jogando um isqueiro. A sorte fez parte disso? (risos)

BG: (risos) Eu tinha que jogar o isqueiro sozinho e acertar dentro do carro. Eu falhei nas primeiras duas vezes, então comecei a inventar desculpas para o diretor. "Ah, houve um vento repentino", "Dessa vez, eu só preciso jogar 2% mais leve" coisas assim. (risos) Mas a partir da 3ª tentativa, eu acertei o alvo continuamente.


P: Você parece ter um bom senso de estar em frente às câmeras. Você parecia notavelmente diferente em cada concept photo para este álbum, e até mesmo a forma que suas emoções continuavam mudando durante a filmagem para a Weverse Magazine hoje foram fantásticas.

BG: Quando estava fazendo o photoshoot, pensei assim, "ah, eu tenho que fazer assim dessa vez, e vai sair bem." Eu tento expressar essas ideias às vezes. E é muito importante compartilhar o feedback com as pessoas que trabalham com você quando está fazendo um ensaio. Foi melhor quando encontramos um meio-termo entre o que eu tinha em mente e o que o diretor queria.



P: Você toma mesmo a iniciativa no seu trabalho. Que tipo de opiniões você compartilha geralmente?

BG: Eu acho que me conheço bem, então tendo a ser aberto sobre meus pensamentos sobre cabelo e maquiagem. Todos os dias, o lado melhor do meu rosto para se fotografar muda. Se meu lado direito é o meu lado bom naquele dia, eu peço a eles para repartir meu cabelo então isso mostra aquele lado melhor, ou se meu cabelo repartido em uma forma estranha então eu peço a eles para retocar aquela parte primeiro. Então eu sempre lamento, mas isso vem com o trabalho então eu preciso dizer o que tenho que dizer. (risos) Se você falar dessa forma irá encontrar um bom meio-termo.


P: Há muitas partes onde você teve de tomar a liderança na coreografia para "0X1=LOVESONG (I Know I Love You) feat. Seori." Você teve que preencher os espaços com gestos e expressões enquanto dançava e segurava um microfone.

BG: A música é mais difícil sem o microfone agora. (risos) É uma música muito emocional, então não é difícil de expressar. Para essa música, pelo menos, eu pensei que seria melhor se nós não dançássemos perfeitamente em sincronia. Então eu sugeri que tentássemos combinar nossos movimentos apenas o mínimo entre nós e não se preocupar sobre os detalhes até as pontas dos dedos do pé. Quando você dança, suas emoções são expostas, mas todos tem uma maneira diferente se expressarem. Se eu colocasse tudo junto em muitos detalhes, não acho que minhas emoções seriam reveladas.


P: Essa música é a que mais demonstra o amor do que qualquer outra música do TOMORROW X TOGETHER. Como você interpreta esse sentimento?

BG: Quando eu ouvi a música pela primeira vez, fiquei com o coração partido. Eu nunca fugi com amigos como no videoclipe, mas acho que sei o que é querer ser amado. Depois do nosso debut fiquei um pouco distante. Eu não fiz amigos além dos membros do grupo, embora eu soubesse exatamente quão bom é fazer novos amigos. Eu me escondi apesar de saber disso. Eu pensei que a música era similar àquele sentimento de anseio por relacionamentos. Eu ficava emocionada no final da música cada vez que apresentávamos. É uma música que faz você expor suas emoções. (risos)


P: Como você tenta expressar esse sentimento quando está gravando?

BG: Há uma linha no refrão que diz, "Say you love me" [Diga que me ama]. Acho que essa linha diz tudo o que você precisa saber sobre a música. Acontece que eu acabei gravando essa parte. Eu queria que você me sentisse dizendo, 'por favor continue me amando.' Isso é algo que você pode dizer enquanto está chorando, ou se você está muito triste pode rir de um jeito estranho. A triste assume diversas formas, então eu tentei expressar um tipo de anseio ao invés de só uma tristeza básica.



P: Você também ajudou a escrever a letra de outras músicas desse álbum "What if I had been that PUMA" e "No Rules."

BG: Eu escrevi várias letras e músicas enquanto nos preparávamos para este álbum. Já fazia um tempo desde que eu trabalhei em qualquer coisa então foi divertido. Escrever músicas é uma forma que eu posso expressar o que estou sentindo. Elas não entraram nesse álbum, mas eu também escrevi algumas músicas em um estilo totalmente diferente.


P: Sobre o que você costuma escrever?

BG: Sou meio obcecado com o tópico da vida diária. Há uma coisa que eu sempre faço: se eu tive um dia difícil, eu olho para o céu e suspiro. É minha maneira de dizer, "ponha tudo para fora - você sobreviveu a este dia. Bom trabalho." Eu tento muito escrever minhas histórias assim. O ponto de referência musical é "C'est si bon." (risos) Acho que não estou nem perto de estar na moda. De qualquer forma, esse tipo de música antiga não é muito animadora, mas acho que possui um encanto único.


P: E você ainda postou no Weverse há não muito tempo [em 24 de maio] que você queria ouvir algumas músicas em fitas cassete. (risos)

BG: Alguém me me deu uma fita cassete quando eu fui gravar alguma coisa a um tempo atrás. Então eu levei de volta comigo e imaginei se a música ainda sairia da fita. Eu procurei online mas não consegui achar nada. Então me perguntei como encontrar fitas, e percebi, "É exatamente pra isso que o Weverse serve!" Então me virei diretamente para os MOAs e perguntei a eles. (risos) Parece que eles apenas as lançam em edições especiais.


P: Eu ouvi que você usa costuma usar fones de ouvido com fio quando escuta música, pela qualidade sonora. Mas o que há nas fitas cassete que é tão atraente para você?

BG: É a má qualidade de som que é atraente. (risos) Discos de vinil e fitas - eles são emocionantes, e a forma como o som pula é intrigante.



P: Você tem mesmo um gosto por analógicos! Tem algum motivo pelo qual você gosta de coisas do passado?

BG: A um tempo atrás eu estava dormindo e acordei, saí do meu quarto um pouco e então entrei de novo. Me lembrou de quando eu costumava cochilar aos domingos e o cheiro da casa da minha família voltou para mim. (risos) Acho que é importante manter erguidas memorias amorosas como essa. Algumas vezes eu penso em como eu costumava sempre ouvir o rádio quando era mais novo ou ganhava vídeos cassete de natal e os colocava e os assistia. Coisas assim me fazem ainda mais feliz agora. Pode ser triste e um pouco perturbador como você não pode se apegar ao passado, mas ao mesmo tempo sou grato por haver coisas que me permitem reviver essas memórias.


Você falou bastante sobre sua paixão por rádio no DAY6's Kiss the Radio também.

BG: Eu sempre quis fazer um programa de rádio noturno. Durante minhas três semanas na rádio eu ganhei muita força. Eu acabei entrando quando mais precisava de apoio. Estava me consolando mais apenas por falar sobre mim.

P: Por que você precisava de apoio naquela época?

BG: Eu tenho a tendência de bloquear memórias dolorosas rapidamente, então não me lembro de nenhum detalhe do que estava sentindo naquela época. (risos) Mas naquela época, eu estava com dúvidas sobre mim mesmo e continuava pensando que não era bom o suficiente.


P: No primeiro dia que você esteve na rádio, você escreveu o seguinte no Weverse: "Bom, tenho tido vários pensamentos ultimamente. Como os outros me veem? Eu sou alguém que os outros podem se apoiar em momentos de necessidade? Tenho pensando bastante nessas coisas."

BG: Todo mundo muda, você sabe. Como quando eu tinha 19, quando eu tinha 20, pode ser a cada ano ou a cada mês, meus valores e minha personalidade continua mudando. Quem sou eu? Eu sou feliz? Eu continuo debatendo essas questões por aí e lutando com elas. Acho que eu estava preso em uma rotina naquela época. (risos)



P: Você já encontrou a resposta para essas perguntas?

BG: Eu não resolvi todas as questões, mas você está crescendo sempre que se faz perguntas como essa. É bom em retrospectiva. (risos) Uma coisa que eu percebi foi que eu quero cuidar das pessoas ao meu redor mais do que quero cuidar de mim mesmo. Mesmo se eu estiver um pouco desconfortável, eu tendo a pensar que eu posso ser feliz dese que a outra pessoa esteja feliz.


P: Tem alguma coisa diferente de que você mudou sua mentalidade?

BG: Na verdade, me preocupo com isso muitas vezes. De certa forma, algumas vezes você pode não estar dando amor o suficiente para si mesmo. Mas depois que eu mudei minha forma de pensar, me senti melhor. Eu costumava ser um pouco sensível e me machucava facilmente, mas agora se alguém diz alguma coisa emocionalmente direcionada a mim, eu não me magoo e aceito o que ele tem a dizer se eu realmente precisar. Agora eu penso em mim mesmo primeiro - Antes de dizer qualquer coisa, me pergunto se meus sentimentos têm precedência, se o propósito dessas palavras os precede ou se vou me arrepender de fazer isso.


P: Você pode dizer que é um processo de encontrar a si mesmo. E o durante a Youth Assembly da 2021 DREAM WEEK você disse, "Agora eu não tenho certeza de quem sou. Então, acho que ainda estou procurando."

BG: Isso é difícil. Não posso te dizer com certeza quem eu sou, mesmo agora. Acho que sou uma pessoa cansada de pensar demais. (risos) Quando eu me apresento ultimamente, apenas digo "Eu sou o Beomgyu." As pessoas não precisam se explicar como um papel que interpretam. No TOMORROW X TOGETHER posso ser visto como alguém confiável para um membro, e posso ser o engraçado para outro. O que quero dizer é, eu apenas quero ser quem eu sou, e não definido por qualquer papel.



P: Quando olho para o TOMORROW X TOGETHER, não tenho a sensação de que nenhum de você tenha um papel específico.

BG: Correto. Não é nada disso mesmo. (risos) Nós estamos junto por muito tempo, mas os membros mais velhos não se veem como tendo qualquer tipo de autoridade, e nem os mais novos. Mas todos respeitam uma regra não dita. Você precisa saber quando recuar. (risos) Nós somos como bons amigos: todos os membros são realmente gentis e aceitam uns aos outros pelo que realmente são.


P: No V LIVE que você fez em seu aniversário, Taehyun disse, "O pai está aqui!" quando ele entrou. (risos)

BG: Eu fingi como se estivesse de mau humor naquele dia, mas na verdade eu estava me sentindo bem por dentro. (risos) Foi fofa a forma como eles vieram um por um. Entre os membros e o MOA, eu realmente terminei com ótimas companhias. Posso ir até eles sempre que estiver me sentindo para baixo.


P: Você viu seus fãs pela primeira vez em muito tempo recentemente, no FANLIVE SHINE X TOGETHER.

BG: Eu sino muita saudade dos MOAs, então nos encontramos num momento quando eu estava me sentido muio solitário. Eu devia estar bem triste durante aquela época. Nos preparamos muito e crescemos bastante durante esse tempo, mas ainda não podíamos ver muitos MOAs, então comecei a questionar sobre o que estava fazendo. Naquela época, o fato de que eu estava me apresentando na frente dos MOAs trouxe lágrimas aos meus olhos. Neste fanlive, nós podíamos apenas receber aplausos sem torcidas/gritos por uma questão de política, mas o fato de que os MOAs estavam em nossa frete nos deus muita força novamente. (risos)

P: Os MOAs não se sentem da mesma forma? Como você mesmo disse no Weverse, os MOAs são seus melhores amigos.

BG: É realmente incrível. Existem vários MOAs que compartilham exatamente das mesmas preocupações que tenho. Eles se preocupam sobre suas amizades, e ainda há pessoas com as mesmas preocupações que eu te disse mais cedo. Mas acho que é melhor que eu lidar com essas coisas primeiro. (risos) Prefiro compartilhar meus sentimentos e conversar com o MOA do que dar conselhos a eles. Melhores amigos são assim. Você pode falar muito mais abertamente do que com um amigo normal. Eu sou muito aberto quando escrevo meu diário e sou grato pelo quão aberto os MOAs são comigo.



P: Você também recomendou a música "pov" da Ariana Grande para o MOAs, que é sobre alguém que quer amar a si mesmo da forma que é amado pelos outros.

BG: Sim, eu recomendei. Essa música é incrivelmente parecida com minhas próprias experiências. Lá estava eu, tentando descobrir uma forma de cuidar um pouco melhor de mim mesmo, quando de repente essa música apareceu no YouTube. Então eu postei para compartilhar minhas próprias preocupações com os MOAs que possuem problemas parecidos. (risos)


P: Você disse no Kiss the Radio que normalmente você escolhe as músicas para o seu perfil com base em como está se sentindo. Na época você disse que sentia nada e então não tinha nenhuma música também, mas e agora Você tem alguma música aí

BG: É essa música. "pov" da Ariana Grande. (risos)


P: Você já começou a "amar a si mesmo." (risos)

BG: É difícil, mas estou tentando. (risos)







Entrevista original: Kim Rieun (Weverse Magazine)

TRAD KOR.ENG/PT-BR: Abby (TXT Brazil)

92 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo