Buscar
  • TXT BRAZIL

ENTREVISTA: Beomgyu para PAPER Magazine (ago/21)

"Beomgyu do TXT está escrevendo sua própria história."


Para Choi Beomgyu do TOMORROW X TOGETHER, cada música evoca uma memória. 'Dancing Queen' do ABBA traz à mente longas viagens ao amanhecer com seu pai, janelas abaixadas e o som estéreo alto; '나 그대에게 모두 드리리 (I Will Give Everything To You)' de Lee Janghee o lembra dos dedos dormentes e as horas do ensaio de guitarra; a trilha sonora de Your Name é o que ele costumava ouvir no seu caminho para a escola; e 'Vienna' do Billy Joel o faz pensar em seus pais e como eles o disseram para não se apressar na vida adulta.


A playlist de Beomgyu é como um diário — um vislumbre dos momentos cotidianos que constituem uma vida jovem. "Eu tento me lembrar das coisas que estou sentindo, das emoções e das partes da minha vida que quero segurar," o artista de 20 anos explica para a PAPER. "Eu acho que a melhor forma de me expressar é através da música, então pego esses sentimentos e essas partes de mim e tento criar alguma coisa bonita a partir disso."


Isso é melhor expresso na música de 2020 'Maze in the Mirror' do TXT. Co-produzida por Beomgyu e escrita por todos os cinco membros, a faixa acústica é uma emocional cápsula do tempo de seus dias de treinamento — de noites passadas sem dormir olhando para os reflexos uns dos outros no espelho da sala de prática. Faz sentido que a primeira contribuição de Beomgyu à discografia do grupo seria ao mesmo tempo melancólica e saudosa — uma contradição melodiosa não muito diferente dele.


Ele é descrito como alguém que "existe simultaneamente às 3h da tarde e às 3h da manhã," significando que ele é extremamente exagerado ou tem sentimentos o tempo todo. Ele romantiza o passado e tem a tendência a se perder em seus devaneios, mas é presente quando ele precisa estar. Como agora, ele está se remexendo em sua cadeira e puxando as pontas finas do seu corte de lobo na altura dos ombros enquanto explica porque ele prefere ouvir rádio. Ele gosta da estática. Um manic pixie dream boy* [*em tradução literal: Garoto maníaco duende dos sonhos. Significa um garoto que parece só existir em sonhos e ficção] em carne e osso.



"Eu penso bastante no passado porque tenho muitas memórias felizes," ele diz, esfregando suas mãos. "Quando eu volto para aqueles momentos, eu consigo sentir essa emoções de novo. Eu meio que fico consumido por eles."


Ultimamente, ele tem pensado bastante em casa. Ele se apaixonou pela música ainda criança pela influência de seu pai. Andando de espingarda no carro de seu pai, Beomgyu escutava músicas como ABBA e Air Supply em alta rotação, e ele estava encantado pela forma com o que essas músicas o faziam se sentir. "Foi quando eu percebi que isso era algo que eu gostaria de fazer," ele relembra. "Mesmo agora, quando preciso melhorar meu humor, eu volto para as músicas daquele tempo que eu costumava escutar no carro com o meu pai."


Beomgyu pegou a guitarra após isso. Seu pai o ensinou o básico e no ensino fundamental ele se juntou à uma banda. Foi quando ele percebeu que tinha o poder de fazer as pessoas sentirem coisas, também. "Quando comecei a tocar guitarra pela primeira vez, não pensei nisso como 'isso é uma coisa que eu quero fazer,'" ele disse. "Mas quando me juntei à banda e comecei a me apresentar na frente das pessoas pela primeira vez e ouvi seus aplausos, fez eu me sentir ótimo. Então comecei a pensar em seguir na música."


"Eu percebi que, se tivesse a oportunidade de estrear, isso me daria a chance de contar a minha própria história."

Após ser escalado nas ruas em sua cidade natal Daegu, Coreia do Sul — os olheiros da Big Hit Music estavam tão ansiosos para fazer o teste dele que rearranjaram sua programação para seus exames escolares —, Beomgyu se mudou para Seoul, longo de seus pais e irmão, e começou seu treinamento. O sistema padrão de treinamento entre os aspirantes a ídolos incluem rigorosas aulas de dança, canto, rap, aprendizagem de línguas, melhores práticas para as mídias sociais e, para os membros do TXT, letras (para músicas) e composição.


Beomgyu teve um interesse especial em escrita e produção, e ele até possui seu próprio estúdio no prédio da HYBE. A guitarra que seu pai comprou para ele descansa na parede do estúdio. Embora ele não tivesse uma real ambição em ser tornar um ídolo de K-pop, ele gostava da ideia de contar histórias e fazer melodias — de criar uma música para cada momento da vida, não importa quão pequena ou aparentemente insignificante.


"Eu percebi que, se eu tivesse a oportunidade de estrear, isso me daria a chance de contar minha própria história," ele disse.



No álbum mais recente do grupo, 'The Chaos Chapter: FIGHT OR ESCAPE,' Beomgyu é creditado como co-escritor em três faixas: 'Balance Game,' 'No Rules' e na música para os fãs 'MOA Diary (Dubbadu Wari Wari)'. 'No Rules' captura um tipo específico de misantropia da Geração Z — agravada por preocupações com as mudanças climáticas e com a pandemia global em andamento. "Posso voltar para onde eu estava antes, por favor?" eles cantam. "Onde não havia nenhuma regra."


A disposição de Beomgyu em compartilhar as partes de si mesmo tanto em sua música e com seus fãs em plataformas de comunidade como Weverse e VLive trouxe para ele muita clareza nos últimos meses. "Ultimamente estou tentando manter um diário," ele diz, brincando com os dedos. (Não é porque ele está presente que não significa que ele ficará sempre parado.) "É muito importante para mim ter um tempo só pra mim, e por conta própria. Algumas vezes compartilho meus pensamentos com os MOAs [nome do fã clube do TXT], ou eu me sento com esses pensamentos por um momento. Uma vez que eles começam a criar forma na minha cabeça, então eu os compartilho com os MOAs. Eu tenho feito muito mais disso."


"É muito bom poder conversar sobre minhas preocupações e emoções com os MOAs e tirá-las do meu peito," ele acrescenta. "Me abrir tem me permitido receber esse consolo sozinho."


Ele também encontra forças e energia nas estrelas. Quando ele deixa o prédio da companhia, seus olhos tendem a vagar para cima, ainda um garoto de Daegu no coração. A coisa sobre viver em uma cidade extensa é que muitas vezes você se esquece de olhar para cima. Você está tão focado em seguir em frente que não toma um tempo para olhar ao seu redor, — para olhar para a lua e o céu em aquarela e imaginar e se? "Eu olho para bastante para o céu noturno e isso me traz muito conforto," Beomgyu diz. "Olhar para as estrelas me faz pensar. Me dá muita alegria. Durante o dia, eu olho para o céu e penso em coisas como 'Há estrelas lá em cima brilhando agora?'"


Mesmo as estrelas estão ligadas à memórias felizes da infância. "Eu costumava observar muito as estrelas com minha família e ouvíamos diversas músicas sobre estrelas," ele diz, seus olhos franzidos com carinho.


Se cada música evoca uma memória, então para Beomgyu cada memória é apenas uma música que ainda não foi escrita.




 



Entrevista original: Crystal Bell (PAPER Magazine)

TRAD ENG-PT/BR: Abby (TXT Brazil)

Tags:

71 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo